terça-feira , 12 novembro 2019
Home / Destaque / PROMOTOR DE JUSTIÇA ALEGA ACÚMULO DE TRABALHO E SERIAL KILLER DE UNIVERSITÁRIAS TEM AUDIÊNCIA SUSPENDIDO NA FRONTEIRA

PROMOTOR DE JUSTIÇA ALEGA ACÚMULO DE TRABALHO E SERIAL KILLER DE UNIVERSITÁRIAS TEM AUDIÊNCIA SUSPENDIDO NA FRONTEIRA

Juiz suspende audiência preliminar a assassino de universitária brasileira na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero na fronteira com Ponta Porã.

A suspensão se deu a pedido do promotor de justiça Gabriel Segovia o juiz Martin Areco, suspendeu a audiência preliminar na manha de sexta feira (26) em razão de acumulo de trabalho, que manifestou o promotor pela que solicitou a suspensão da audiência preliminar ao acusado Cristopher Andres Romero Irala (28), acusado de executar a universitária de medicina Erika de Lima Corte (29) na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero, encontrada morta no dormitório de seu apartamento, situada na rua 15 de agosto e Jose de Jesus Martinez no bairro Bernardino Caballero no centro da cidade, na madrugada de segunda feira 20 de agosto de 2018 por volta das 00:30hs, por uma companheira que alertou na época, os agentes da Divisão de Homicídios e da Policia Técnica que com o apoio do promotor de justiça Gabriel Segovia e o medico legista Cesar Gonzalez que realizaram os procedimentos de rigor.

O mesmo ainda e acusado de executar de forma brutal a universitária paraguaia Daisy Patrícia Benítez Gómez (26) no ano de 2012 quando a vitima foi executada a facada após ter sido torturada, na época Cristopher Andres Romero Irala foi preso e aos poucos dias recuperou a liberdade e passou a trabalhar junto com o pai que tinha a licença para realizar trabalhos de instalação elétrica na cidade, onde acabou conhecendo Erika de Lima Corte que terminou executada em situação similar a primeira vitima.

O pedido de suspensão foi duramente criticada pela população local em razão da brutalidade com que executou as duas universitárias, crime pela qual hoje passado um ano ainda não foi julgado e informações indicam que o mesmo gozaria de privilégios na instituição penitenciaria pela que a população se manifestou nas redes sociais, onde cobraram justiça as duas vitimas do considerado serial killer de universitárias na região de fronteira com o estado do Mato Grosso do Sul.

Relembre os casos

Comentário

Comentário

Veja Também

DOF INICIA CURSO DE UNIDADES ESPECIALIZADAS EM FRONTEIRA

O Departamento de Operações de Fronteira (DOF) realizará, no período de 11 de novembro a ...