quarta-feira , 19 fevereiro 2020
Home / Educação / ESCOLA EM PONTA PORÃ SE DESTACA AO PROMOVER APRENDIZAGEM DIVERTIDA A PARTIR DE METODOLOGÍA ATIVA E PESQUISA-AÇÃO

ESCOLA EM PONTA PORÃ SE DESTACA AO PROMOVER APRENDIZAGEM DIVERTIDA A PARTIR DE METODOLOGÍA ATIVA E PESQUISA-AÇÃO

O projeto “Brincando com as letras: a produção de Histórias em Quadrinhos na ferramenta Scratch” aconteceu na Escola Estadual Adê Marques durante os três primeiros bimestres com a turma do sétimo ano “A” e foi coordenado pela Professora Mestranda Andréa Caramaschi dos Santos. O projeto faz parte de uma pesquisa que está sendo desenvolvida pela Professora Andréa no Programa de Mestrado Profissional em Letras  – PROFLETRAS – UEMS/ Dourados, sob a orientação do  Prof. Dr. Neurivaldo Campos Pedroso Júnior.

A metodologia utilizada para o desenvolvimento do Projeto foi a  da Pesquisa-ação, que compreende uma ação ou resolução de um problema coletivo com a efetiva participação e integração entre pesquisador e participantes. Assim,  durante as aulas foram feitas rodas de conversa para decidir ações, produção compartilhada de roteiro na ferramenta Google Drive e a produção das Histórias em Quadrinhos na ferramenta ScratchEd, tudo on-line para que os grupos tivessem acesso e pudessem compartilhar conhecimento. O livro Extraordinário foi o eixo norteador das produções, pois a história do personagem August contemplava os temas elencados pela turma como Bullying, relacionamento entre irmãos, aceitação familiar, preconceito, amizade e superação, assuntos bem presentes no ambiente escolar.[JP1] [ACdS2] 

Apesar de as atividades iniciais já terem sido finalizadas, o projeto ainda será apresentado pelas alunas Ana Júlia Stadler e Sarah Reis Pedrotti  na Feira de Ciências e Tecnologia da Fronteira (FECIFRON), organizada pelo Instituto Federal de Mato Grosso do Sul e pela turma na Feira Feras do Conhecimento, evento da Escola no qual todos os estudantes têm a oportunidade de apresentar seus trabalhos para a comunidade em geral.

“Com este trabalho percebeu-se que a aprendizagem de língua portuguesa flui melhor quando as tecnologias são aliadas ao processo de ensino. No caso deste projeto, a produção de HQ na ferramenta Scratch, os estudantes tiveram que compartilhar ideias, contribuir com o conhecimento, decidir sobre as dificuldades encontradas na produção escrita, enfim, exercer a autonomia e o protagonismo juvenil”, contou a professora Andréa.

Segundo Tânia Fuji, mãe do estudante Luca Seiki, “o Scratch foi um excelente recurso para as aulas de língua portuguesa e muito bem trabalhado na produção das Histórias em Quadrinhos, meu filho teve oportunidade única de aprendizagem, tanto no sentido de conceituação, pois trabalhou temática pertinente e importante, quanto com a interação com as novas tecnologias, recursos e ferramentas que o Scratch oferece”.

Já para Elizete Vieira Macena, mãe do estudante Lucas, “O projeto foi de grande aproveitamento para a aprendizagem, porque os estudantes aprenderam a criar histórias em quadrinhos com programação, produção que não acontece geralmente em aulas de língua portuguesa. Creio que deveria ter mais projetos como esse”, concluiu. Para o estudante Antônio, “foi bom aprender de forma diferente, aprendi não só a ter uma boa escrita e a produzir histórias em quadrinhos, mas também compreendi que devemos tratar bem nossos familiares e amigos porque do contrário podemos destruir amizades e a autoestima das pessoas”, destacou.

A estudante Emily disse que gostou muito do projeto porque aprendeu a criar Histórias em Quadrinhos, apesar das dificuldades com a programação, disse que se divertiu e as dificuldades encontradas foram discutidas no grupo e resolvidas em conjunto. Os trabalhos estão disponíveis no site do Scratch para leitura, o endereço para acesso é https://scratch.mit.edu/search/studios?q=brincando%20com%20as%20letras, é só clicar no estúdio Brincando com as letras e apreciar os trabalhos.

Comentário

Comentário

Veja Também

PAIVA NETTO, FALA SOBRE SUSTENTABILIDADE E REEDUCAÇÃO

O mundo inteiro fala em sustentabilidade, mas firmada em quê? Em geral, num pensamento econômico ...