sexta-feira , 23 agosto 2019
Home / Destaque / APROSOJA DIVULGA EXPECTATIVA PARA A SAFRINHA E FECHA CICLO DA SOJA EM MS

APROSOJA DIVULGA EXPECTATIVA PARA A SAFRINHA E FECHA CICLO DA SOJA EM MS

O relatório divulgado nesta quinta-feira (11) pela Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja/MS) aponta para o fim da colheita da soja e do plantio do milho. Foram cerca de 1.982 visitas a propriedades rurais pela equipe do Sistema de Informações Geográficas do Agronegócio (SigaMS), que revisaram os números por todo o ciclo e alinharam com imagens de satélite, que confirmam o impacto da estiagem na produtividade, aumento de área para ambas culturas e expectativa de safra para o milho.

“Esperávamos uma safra perfeita para soja. Mas o cenário de produtores rurais investindo cada vez mais em tecnologia, áreas sobrepondo o que antes era pasto e cana e prometiam avanço na produção de grãos, não tiveram apoio climático. A safra fecha com média de 48,11 sacas por hectare no Estado. Identificamos médias próximas de 70 sacas e outras fazendas registraram 28,5 sacas por hectare. Isso aconteceu devido as chuvas de manga, mas também pela escassez dela no momento de desenvolvimento da planta e dos grãos”, relata o presidente da Aprosoja/MS, Juliano Schmaedecke.

“Em compensação o milho, boa parte está se consolidando como uma safra pujante. Estimamos um avanço na área de 5,73% e uma produtividade média de 78,2 sacas, atingindo volume de 9 milhões de toneladas”, completa o presidente.
A área destinada à soja atingiu 2,98 milhões de hectares segundo o Siga. Isso representa um avanço de 280 hectares ou 10% a mais que no ciclo anterior. Este acréscimo em cima de espaços antes dedicados à outras culturas, faz de Mato Grosso do Sul o estado com maior expansão na cultura.

Como a estiagem atingiu diversos estados, no item soja, Mato Grosso do Sul se manteve como o quinto maior produtor, somando 8,8 milhões de toneladas.

A expectativa para a safrinha é de que ele recupere a terceira posição do ranking nacional, assumindo novamente o lugar, hoje ocupado por Goiás, que está atrás de Mato Grosso (1º) e Paraná (2º).

Plantas daninhas, pragas e doenças na soja

As plantas daninhas com maior porcentagem de incidência nas propriedades visitadas pela equipe do Siga em Mato Grosso do Sul, foram o capim amargoso, buva e o picão preto. Em relação às pragas, percevejo marrom, vaquinha, percevejo barriga verde e lagarta falsa medideira apresentaram as maiores porcentagens, mas não causaram perdas significativas de produção.

Sobre as doenças que atacaram as plantas, o oídio, a antracnose e a mancha alvo representam as maiores porcentagens, mas a incidência no geral foi considerada baixa, não ultrapassando 3% para nenhuma das doenças identificadas.

Comentário

Comentário

Veja Também

“OPERAÇÃO FRONTEIRA SEGURA II” APONTA ALTO RESULTADO POSITIVO NAS PRIMEIRAS 12 HORAS NA REGIÃO DE FRONTEIRA

Sucesso da “Operação Fronteira Segura II” e visível nas primeiras 12 horas na região de ...