domingo , 20 janeiro 2019
Home / Destaque / PACIENTES DE ESCLEROSE MÚLTIPLA AFETADOS POR FALTA DE REMÉDIOS NO MS

PACIENTES DE ESCLEROSE MÚLTIPLA AFETADOS POR FALTA DE REMÉDIOS NO MS

Pacientes de Mato Grosso do Sul, que fazem tratamento para esclerose múltipla, estão sofrendo com o desabastecimento nacional do medicamento Fingolimode.

Em Campo Grande, pacientes que foram até à Farmácia Escola da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), que possui termo de cooperação com a SES (Secretaria Estadual de Saúde), não encontraram o medicamento disponível.

Uma leitora do Jornal Midiamax relatou que, segundo informações da Farmácia Escola, a falta do medicamento aconteceu problemas na licitação e a medicação não tem previsão de chegada. “A farmacêutica aconselhou ligar lá no final da primeira quinzena de janeiro para saber se foi restabelecido a entrega do medicamento”, diz.

Ainda segundo a paciente, a falta do medicamento pode acarretar problemas no desenrolar do tratamento. “O remédio é de extrema importância para o tratamento de uma doença crônica. A falta do uso da medicação pode acarretar na quebra do tratamento dos pacientes, levando à estaca zero”, comenta.

O medicamento para o tratamento de escleroso múltipla é de alto custo e o valor de uma caixa do genérico chega a quase R$ 6 mil na farmácia, inviabilizando a compra para muitos pacientes.

Jornal Midiamax procurou a SES (Secretaria Estadual de Saúde) desde a semana passada, mas, não houve retorno das solicitações encaminhadas por email. Já o Ministério da Saúde confirmou a falta do remédio e alegou problemas com o fabricante. Em outros estados, como São Paulo o problema também está afetando pessoas que fazem o tratamento.

Segundo o Ministério da Saúde, a distribuição do medicamento já foi iniciada e, até o fim da semana, a previsão é de que todos os estados tenham sido reabastecidos. (Nota na íntegra)

O Ministério da Saúde informa que já iniciou a distribuição do medicamento Fingolimode e até o final da semana, todos os estados estarão abastecidos. São enviados 86.492 cápsulas do medicamento para abastecer unidades de saúde no primeiro trimestre de 2019.

A compra foi emergencial e o atraso na aquisição se deu por problemas com o fabricante. Paralelo à essa aquisição emergencial, também está em andamento um novo pregão eletrônico para uma compra maior, o que garantirá o abastecimento para restante do ano.

A esclerose múltipla é uma disfunção crônica que afeta o sistema nervoso e se manifesta geralmente por surtos agudos que levam à paralisia de membros e à falta de coordenação motora, entre outros sintomas.

O tratamento é feito com o uso de medicação contínua e é possível evitar a progressão da enfermidade. A interrupção do tratamento por 15 dias já é suficiente para que o paciente tenha piora no quadro clínico e volte a enfrentar episódios da doença, com intensidade e duração imprevisíveis.

A aquisição e a distribuição dos medicamentos é centralizada no Ministério da Saúde devido ao preço elevado e à indisponibilidade dos itens no mercado convencional, de acordo com informações do MPF (Ministério Público Federal).

Fonte www.midiamax.com.br

Comentário

Comentário

Veja Também

COLABORADORES DO HR DE PONTA PORÃ PARTICIPAM DE CAPACITAÇÃO PARA INTENSIFICAR NOTIFICAÇÃO DOS CASOS DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

A equipe de enfermagem do Hospital Regional Dr. José de Simone Netto (Hospital Regional de ...