sexta-feira , 19 julho 2019
Home / Política / SENADOR DO PT DO MATO GROSSO DO SUL TENTA INTIMIDAR JORNALISTA NO BRASIL

SENADOR DO PT DO MATO GROSSO DO SUL TENTA INTIMIDAR JORNALISTA NO BRASIL

Vem de Mato Grosso do Sul a inauguração da Lei do Direito de Resposta, em vigor há uma semana depois de sanção presidencial. Conforme revelou o colunista da Folha de São Paulo, Rogério Gentile, nesta quinta-feira (19), Delcídio do Amaral (PT), o senador sul-mato-grossense, foi o primeiro a colocar em prática a lei “mal formulada”.

Em vigor há uma semana, a mal formulada Lei do Direito de Resposta já é usada por políticos envolvidos em suspeitas para tentar intimidar jornalistas e, consequentemente, inibir a publicação de notícias a seu respeito.

O senador Delcídio do Amaral (PT) inaugurou a prática. Em depoimento à PF, o delator Fernando Baiano afirmou ter pago entre US$ 1 milhão e US$ 1,5 milhão em propina ao parlamentar por meio de um suposto “amigo de infância”.

Procurado pela Folha para tratar do assunto, Delcídio ameaçou recorrer à nova lei de direito de resposta caso o jornal divulgasse as declarações do delator. A mesma ameaça foi feita ao jornal “O Globo”.

O chamado “Outro Lado” é fundamental para o trabalho jornalístico. Ao procurar uma pessoa sobre a qual há algum tipo de suspeita, o veículo faculta ao entrevistado a oportunidade de rebater as acusações que lhe são imputadas. Não é incomum, inclusive, ao ouvir contra-argumentos, um jornalista se convencer da impropriedade de uma denúncia e desistir de publicar a reportagem.

Ou seja, ironicamente, o senador ameaçou entrar na Justiça com um pedido de resposta justamente para não ter de dar aos jornais sua resposta às acusações. Ficou claro que seu objetivo não era defender-se, mas impedir a publicação da suspeita.

O senador faz isso porque a nova lei, embora necessária, foi malfeita. Criou obstáculos para que os veículos possam se defender, bem como tem um defeito de concepção.

O direito de resposta deve ser assegurado quando a publicação se recusa a dar a versão de um acusado ou quando erra na divulgação de um fato. A lei, porém, atende ao “ofendido” pela notícia, ainda que o veículo tenha apenas reproduzido uma acusação ou emitido uma opinião.

O senador pode ter razão em sentir-se ofendido pelas declarações do delator –cabe à Justiça julgá-las–, mas isso não significa que o jornal não tenha o direito de reproduzi-las.

Fonte www.correiodoestado.com.br

 

Comentário

Comentário

Veja Também

SUBSECRETARIA LGBT CONTRATA PRIMEIRO HOMEM TRANS PARA TRABALHAR POLÍTICAS PÚBLICAS NO MS

A Subsecretaria de Políticas Públicas LGTB empossou o primeiro homem trans que vai trabalhar na ...

Deixe uma resposta