terça-feira , 18 setembro 2018
Home / Educação / ACADÊMICA DE DIREITO FALA SOBRE O “TRÁFICO INTERNACIONAL DE MULHERES PARA FINS DE EXPLORAÇÃO SEXUAL”

ACADÊMICA DE DIREITO FALA SOBRE O “TRÁFICO INTERNACIONAL DE MULHERES PARA FINS DE EXPLORAÇÃO SEXUAL”

A acadêmica de Direito Andressa Rocha dos Santos, cursando o 9° semestre na UNIGRAN (Centro Universitário da Grande Dourados), defendeu recentemente sua monografia jurídica com o tema “Tráfico Internacional de Mulheres para fins de exploração sexual”, no qual ressaltou a importância do tema para a sociedade.

O principal objetivo do trabalho acadêmico, foi demonstrar uma análise mais profunda desta modalidade de crime, bem como buscar entender quais os fatores que influenciam está esta prática e quais as modalidades de tráfico de pessoas existentes.

Além disso, a acadêmica abordou um estudo sobre a legislação nacional e internacional sobre o crime, demonstrando as principais rotas do tráfico e os meios de enfrentamento.

Ressalta-se que apesar de não ser muito debatido, é um fenômeno de grande importância para o Brasil, tendo em vista sua incidência no país.

O tráfico de mulheres para fins de Exploração sexual viola os direitos fundamentais do ser humano, buscando a exploração do corpo. Esta modalidade está entre as três atividades ilícitas mais lucrativas do mundo, juntamente com o tráfico de armas de fogo e o de drogas.

O tráfico de pessoas possui diferentes finalidades, tais como o trabalho forçado, a remoção de órgãos e tecidos, adoção ilegal de crianças e a exploração sexual.

Atualmente, o tráfico de pessoas é regido pela lei 13.344/16, sendo que antes da vigência dessa lei, a legislação brasileira abordava apenas duas modalidades incriminadoras de condutas que buscavam reprimir o tráfico nacional e internacional de pessoas, localizados nos artigos 231 e 231-A, do código penal, os quais foram revogados com a vigência da nova lei.

De acordo com a acadêmica, o dia 30 de julho foi instituído pela Organização das Nações Unidas – ONU, como o dia mundial contra o tráfico de pessoas e desde 2013 a data é divulgada com a campanha “Coração Azul” na versão brasileira.

O ” coração azul” busca conscientizar sobre o problema e inspirar aqueles que detém o poder de decisão a promover as mudanças necessárias para acabar com esse crime. Além disso o coração azul foi escolhido como símbolo da campanha por representar a tristeza das vítimas do tráfico de pessoas e lembrar a insensibilidade de quem compra e vende outro ser humano.

Na oportunidade, a acadêmica sugere às autoridades competentes, a importância da criação de projeto de lei para o enfrentamento e conscientização sobre o tráfico de pessoas no estado e municípios, buscando evitar e prevenir novos casos de tráfico pessoas.

Comentário

Comentário

Veja Também

ABOGADO EVITA DESALOJO DE MÁS DE 300 FAMILIAS DE ESCASOS RECURSOS ECONÓMICOS EN PEDRO JUAN CABALLERO

El pasado 28 de agosto el juez en lo Civil y Comercial Abog. Cristian Sánchez ...