domingo , 23 setembro 2018
Home / Destaque / EXECUÇÃO DE TESTEMUNHA EM PRAÇA PÚBLICA NA FRONTEIRA PODE ESTAR LIGADA AO NARCOTRÁFICO

EXECUÇÃO DE TESTEMUNHA EM PRAÇA PÚBLICA NA FRONTEIRA PODE ESTAR LIGADA AO NARCOTRÁFICO

Mesmo sem ligação direta, a investigação do atentado a tiros contra Dirceu Bettoni (PSDB), prefeito de Paranhos, pode ‘encostar’ na atuação do narcotráfico em território sul-mato-grossense e paraguaio. A cidade faz divisa seca com o Paraguai, e vive em clima de faroeste desde o ataque, na última quinta-feira (14).

Nos últimos anos, os moradores de Paranhos assistiram a uma chacina e à execução de um policial civil, entre outros crimes violentos. Agora, relatam que evitam sair de casa e muitos andam armados.

Uma testemunha foi executada em praça pública no domingo (17), na frente da Delegacia de Polícia Civil onde tinha acabado de testemunhar. Os policiais brasileiros ouviram os tiros, mas nem tiveram tempo de fazer algo. No local, acharam 37 cápsulas de munição de pistola nove milímetros e oito de ponto quarenta, que mataram o homem logo após o interrogatório.

Já o ataque ao prefeito tucano foi feito com um revólver 32, considerado de uso ‘doméstico’ na fronteira e pouco adequado para um atentado de pistoleiros profissionais.

‘Treme Terra’

O homem fuzilado depois de falar com os policiais civis, Jomar Lemes ou Jomar Alcange de Oliveira, já que ele tinha duas identidades, descobertas após a morte, seria funcionário de ‘Treme Terra’, apontado pelas autoridades paraguaias como narcotraficante.

Policiais da Unidade Especializada de Combate ao Narcotráfico de Curuguaty (Unidad Especializada en la Lucha contra el Narcotráfico de Curuguaty) apontam ‘Treme Terra’ como arrendatário de uma área onde flagraram 17 hectares de plantação de maconha, em junho de 2017.

No ano anterior, também encontraram dois corpos incinerados em uma casa que seria dele em Puente Kyjhá.Jornal paraguaio registrou operação policial em terra arrendada por ‘Treme Terra’ (Reprodução, Web)

Segundo informações do ABC Color, ‘Treme’ teria nacionalidades brasileira e paraguaia, e está implicado em diversas ações judiciais e disputas por posse de fazendas em regiões como Chaco, pantanal paraguaio.

Em comentário na notícia do jornal paraguaio, no entanto, um advogado paraguaio rechaça as acusações. Segundo ele, ‘Treme’ é que teria, na realidade, denunciado a existência da plantação de maconha na área arrendada, já que o cultivo estaria sendo realizado em uma mata de reserva ambiental da fazenda arrendada.

Ainda segundo o advogado, o flagrante contra ‘Treme Terra’ teria sido plantado por pessoas com quem ele estaria em disputas judiciais.

Uma das linhas de investigação sobre a motivação para os tiros de 32 disparados com o prefeito peessedebista do município sul-mato-grossense, segundo apurou a reportagem, é justamente uma disputa envolvendo suposta venda de fazenda pelo prefeito.

Segundo apurado, o suposto mandante do crime não teria feito o pagamento da propriedade, e por isso, o prefeito protocolou ação na Justiça Paraguaia, que teria bloqueado os bens do comprador. Oficialmente, a Polícia Brasileira não fala sobre o assunto, nem confirma as linhas de investigação.

Velho Oeste

Após o atentado contra o prefeito, o clima na cidade que faz fronteira com o Paraguai é de um verdadeiro ‘velho oeste’, a definição dada por moradores do município. Com clima de medo muitas pessoas começaram a andar armadas na cidade. O Jornal Midiamax entrou em contato com alguns moradores que relataram que a insegurança e o medo se instalaram depois da tentativa de homicídio contra Dirceu.

“Saio na rua só se for muito necessário, porque tenho muito medo depois de tudo que aconteceu”, disse um morador, que por razões de segurança não foi identificado na matéria. Segundo ele, muitas pessoas estão andando armadas e qualquer fato já é motivo para “mandar bala”. Agora o que está acontecendo é “atira primeiro e pergunta depois”, disse um servidor.

Casal preso

Um casal identificado como Gabriel Queiroz, 26 anos, e Djuly Priscilla Couto, 28 anos, foi preso na madrugada do último domingo (17), na BR-163, em Rio Brilhante, quando vinha para Campo Grande. Eles são acusados pelo atentado.

O autor dos disparos confessou que teria recebido R$ 20 mil de um homem identificado apenas como um brasileiro que vive no Paraguai para executar o crime. A moto utilizada pelo casal no crime foi encontrada pela Polícia ainda na quinta-feira, a poucas quadras da casa do prefeito de Paranhos.

O atentado

O crime ocorreu na última quinta-feira (14). O prefeito Dirceu Bettoni (PSDB) sofreu o atentado enquanto chegava em casa em sua caminhonete. Ele recebeu disparos no maxilar, pescoço, ombro e abdômen.

O prefeito foi levado ao Hospital Municipal Nossa Senhora Conceição. Ele foi socorrido pelo vice-prefeito da cidade e por familiares que escutaram os disparos, e está fora de risco.

Comentário

Comentário

Veja Também

PRF APREENDE MAIS DE 200 KILOS DE COCAÍNA DURANTE “OPERAÇÃO FRONTEIRA SEGURA”

Polícia Rodoviária Federal apreende mais de 200 kilos de cocaína durante “Operação Fronteira Segura” em ...