segunda-feira , 21 maio 2018
Home / Destaque / FALTA DE COMPROMISSO DE GOVERNADOR COM A SAÚDE PARALISA ATENDIMENTO NO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA PORÃ

FALTA DE COMPROMISSO DE GOVERNADOR COM A SAÚDE PARALISA ATENDIMENTO NO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA PORÃ

Corpo clínico do Hospital Regional de Ponta Porã paralisam atendimento e escrevem carta aberta cobrando salários da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul
O Hospital Regional Dr. José de Simone Netto (Hospital Regional de Ponta Porã) está funcionando, novamente, com cerca de 30% de sua capacidade total. A paralisação se deu por conta da dívida de aproximadamente R$ 5 milhões que a Secretaria Estadual de Saúde tem com o Instituto Gerir, que administra o Hospital.
A Diretoria do Hospital mantem um dialogo constante com toda a equipe e fornecedores para garantir que o maior número possível de pessoas sejam atendidos, apesar das condições, mas admite que a situação no Hospital está piorando a cada dia pela falta dos repasses.
Os médicos anestesistas cancelaram cirurgias eletivas e ortopédicas, e comunicaram que até receberem, farão apenas cirurgias de urgência e emergência. Os funcionários do setor de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) também afirmaram que vão parar pela falta de pagamentos e insumos para os atendimentos. No pronto-socorro, os médicos iniciaram “operação tartaruga” e a Polícia Militar teve que ser chamada para conter pacientes que esperavam há horas sem atendimento.
O setor de lavanderia também fornecerá apenas 30% do enxoval necessário. Nesta manhã, funcionários do Hospital escreveram uma carta sobre o descontentamento por causa dos atrasos e colaram por todos os corredores da instituição.
O trecho inicial do documento diz, “Nosso hospital realizou nos últimos três meses uma média de 6.000 atendimentos/mês. São 200 atendimentos por dia. O mesmo número de pacientes é atendido no Einstein (Hospital Israelita Albert Einstein), com uma equipe três vezes maior. Infelizmente”.
“E com isso a piora da qualidade e quantidade de atendimento é inevitável. Na semana passada, a lavanderia passou a fornecer 30% da rouparia total, porque já se somavam quatro meses sem pagamento. Qual casa fica em pé quatro meses sem dinheiro? Por esse motivo, cirurgias eletivas de vesícula e hérnia foram canceladas. Cirurgias ortopédicas foram canceladas.”, diz outro trecho do documento.
Ainda na carta, eles relatam que a UTI completa 60 dias sem repasse e a equipe médica não recebeu pagamento referente a julho e pagamento referente a agosto já vence no próximo dia 20. “Só quem já precisou de um leito sabe sobre o atendimento de primeira linha oferecido lá. A lavanderia voltou a funcionar com a promessa de que todos os pagamentos atrasados seriam feitos até sexta-feira dia 01/09. Não foi o que aconteceu. O pagamento foi de apenas um mês dos quatro sem o devido pagamento”, descreve outro trecho do documento.
“Até quando vamos ter que esperar? Até quando a população de Ponta Porã vai ser punida, e vai deixar de receber o atendimento que merece?”, finalizam os funcionários, pedindo desculpas à população e afirmando que “não irão desistir”.

Comentário

Comentário

Veja Também

PROTESTO DE CAMINHONEIRO FECHA RODOVIAS FEDERAIS NO MS

Caminhoneiros fecham estradas federais no Mato Grosso do Sul, em protesto, foi confirmada pela PRF (Polícia ...

Deixe uma resposta